Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Treinar

por mascatinha, em 31.05.05
Jamor_Driveing.jpg
No Golfe é preciso treinar muito. E, não é fácil encontrar uma rotina de treino. Primeiro, porque não conseguimos definir um esquema de treino, depois porque é difícil encontrar o tempo e disponibilidade para executar esse plano, terceiro porque em Abrantes fica-nos caro, utilizar um espaço para batermos bolas. Quase tanto como o Green fee anual do Campo de Golfe de Marvão.

Quando vamos ao campo, queremos é jogar, treinar sabe a castigo…mas ás vezes temos que o impor a nós mesmos, para que algumas tacadas deixem de ser aquelas piadas visuais.

Para este treino, mesmo em condições ideais, dependemos normalmente apenas de nós próprios, o que exige uma grande dose de autodisciplina para deixarmos o que estamos a fazer, porque "temos um treino de golfe". Aliás, quando dizemos que vamos treinar, a reacção das pessoas é normalmente de estranheza, quando comparada com outro desporto qualquer. Existe um pouco a mentalidade que o golfe não se treina, joga-se.

Comparando este desporto com outros, a percentagem de tempo que dedicamos ao treino é muito pequena, quando comparada com o tempo que demora uma partida de golfe (de 4 a 5 horas). Por isso, na região de Lisboa, muitos praticantes podem ser vistos na sua hora de almoço, ás vezes de gravata, no Driving Range da Federação Portuguesa de Golfe, no Jamor. Deste modo quase diariamente realizam o seu treino em cerca de 30 minutos. Perfeito!

No nosso caso, resta-nos ter um espírito de desportista, ás vezes joga-se bem, outras joga-se mal, porque não fazemos aquilo que é fundamental no Golfe, treinar, treinar e treinar.

Autoria e outros dados (tags, etc)


"The Legend of Bagger Vance"

por mascatinha, em 26.05.05
laleyendadebaggervance.jpg
Rannulph Januh (Mat Damon) é um excelente golfista, tem o amor da mulher mais desejada da cidade, mas perde tudo isso, quando vai para a guerra. Ele é o único sobrevivente de todos os que foram da cidade, e agora a sua vida é jogar, beber e fumar!
A cidade encontra-se em depressão económica, até que o pai de Adele (Charlize Theron) se suicida. Ficando agora nas suas mãos, o tentar manter o que o pai havia construído. Ela não quer vender a sua parte e para sair da falência ela resolve fazer um campeonato de golfe bem ousado e amistoso. Ela convida os dois melhores jogadores da época. Agora, para o campeonato dar certo os moradores de Savannah querem um representante local e o garoto Hardy Greaves (J. Michael Moncrief) sugere o nome de Rannulph Januh. Havia que convencê-lo a aceitar a participação! A história é narrada pelo Jack Lemmon (sendo o Hardy Greaves - velho), em sua última aparição no cinema!
Mas Rannulph Januh precisava reaprender a jogar golfe e cai de pára-quedas na história o Bagger Vance (Will Smith), que vai ajudá-lo a recuperar o jeito de uma forma muito original.
As qualidades do filme estão nas belas imagens, já que o filme é passado grande parte ao ar livre e tem uma excelente fotografia. E nas tacadas, onde a imagem tem a visão da bola, como se a câmera fosse a bola. A produção do filme é bem acabada e muito ao estilo da época, um excelente filme a não perder! Vá buscá-lo ao seu videoclube e passe um delicioso serão …

Autoria e outros dados (tags, etc)


Coincidências...

por mascatinha, em 24.05.05
buraco18r.jpg
Qualquer semelhança entre esta história e a do artigo - Conclave do GCA, é pura coincidência.
Um sujeito estava jogando golfe, quando lá pelo 16º buraco, ele quase acerta com a bola num anãozinho esquisito, com dois chifrinhos na cabeça. Antes do sujeito tentar se desculpar, o homenzinho fala:
- Eu sou um duende e posso te conceder três desejos.
- Não, obrigado, eu já estou satisfeito de não ter lhe acertado com a bola, podia se ter magoado a sério.
O sujeito continuou jogando e o duende pensou: "Esse sujeito é mesmo gente boa. Já que ele não me pediu nada, vou realizar para ele os três desejos que a maioria dos golfistas me pede: muito dinheiro, muita sorte no golfe e uma vida amorosa intensa".
Um ano depois, o sujeito está lá jogando no mesmo buraco, quando novamente quase acerta o duende.
- Você de novo! Tudo bem?
- Tudo bem! - responde o duende. - E você, tem jogado muito golfe?
- Ah, muito, e eu ando com uma sorte inacreditável!
- Graças a mim! E dinheiro, muito dinheiro?
- É impressionante, mas de um ano para cá eu fiquei milionário.
- Graças a mim também! E o sexo?
- Ah, vai bem. Uma ou duas vezes por semana.
- Só uma ou duas vezes por semana? - estranhou o duende.
- Bom, até que não é ruim para um “cardeal mor”.

Autoria e outros dados (tags, etc)


VIDA: Livro das regras!

por mascatinha, em 20.05.05
1. Diga aos outros mais do que eles esperam e faça isso com alegria. 2. Quando disser a alguém "Amo-te", sinta realmente isso. 3. Quando for dizer "desculpe", olhe nos olhos da pessoa. 4. Nunca ria dos sonhos dos outros. 5. Ame profunda e apaixonadamente. É possível que saia ferido, mas é a única maneira de se viver a vida por inteiro. 6. Nos momentos de discórdia, jogue limpo. 7. Quando alguém lhe perguntar algo que não gostaria de responder, sorria e diga: "Por que você quer saber isso?" 8. Lembre-se que um grande amor e grandes realizações envolvem grandes riscos. 9. Lembre-se dos três R: Respeito por si mesmo; Respeito pelos outros; Responsabilidade por tudo o que fizer. 10. Quando perceber que cometeu um erro, haja imediatamente para corrigir o mesmo. 11. Case-se com um homem/mulher com quem você adora conversar. Ao envelhecer, os infindáveis conversas com ele/ela serão tão importantes quanto todo o resto. 12. Abra os seus braços à mudança, mas não abra mão dos seus valores. 13. Lembre-se que o silêncio é, às vezes, a melhor resposta. 14. Nas desavenças com as pessoas que você ama, trate do que está em discussão. Não traga à tona o passado. 15. Leia nas entrelinhas. 16. Partilhe com os outros os seus conhecimentos. É uma maneira de se alcançar a imortalidade. 17. Seja gentil com a terra. 18. Uma vez por ano, vá a algum lugar em que você nunca esteve antes. 19. Julgue o seu sucesso pelas coisas que você teve que abrir mão para chegar a ele. 20. Dedique-se ao acto de amar e cozinhar sem nenhum limite.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Parabéns, Joana Miranda!

por mascatinha, em 19.05.05
01040281.jpg
Querida amiga, que aos anos que não vejo, mas quero felicitá-la neste dia de aniversário e também pelo seu novo livro CONTIGO ESTA NOITE, que se encontra desde dia 10, nas livrarias, bravo! Amiga do tempo da faculdade, faz também anos que estivemos juntas pela última vez. Primeiro as cartas, agora os mails, têm nos mantidos em contacto.
Sempre gostou de escrever a Joaninha...primeiro, nas inúmeras páginas de exame, em que dissertava longamente sobre a Psicologia, enquanto que eu preferia a síntese e resumo. Agora, quinze anos depois, ela já vai no seu quinto livro, enquanto que eu continuo preferindo os pequenos artigos.

A Joana gosta de escrever sobre amor, paixão, desilusão, ciúme, ambição, inveja, mágoa, tristeza, euforia, ressentimento, poder escrever sobre as pessoas no que encerram de mais belo e de mais feio. Porque as pessoas são tudo isso, objectos plenos de mistério, quantas vezes tão belas e tão feias ao mesmo tempo. O que há de melhor e de pior no nosso mundo.

E eu, claro que adorei todos os seus livros, em particular o primeiro –A outra metade da laranja, quanto a este último, irei lê-lo com certeza. Boa sorte para mais esta obra!

Autoria e outros dados (tags, etc)

brincal.jpg
Como devem ter reparado, mudei o nome ao blog...desisti de esperar pelos artigos de todos (golfistas do GCA), que foram convidados a participar nele. Continuarão como autores, aqueles que pelo menos aceitaram o desafio, este espaço continua disponível...o que deixa de existir é a minha expectativa, de eles aparecerem. Mas, como se diz, quando menos se espera...
Fica no entanto a promessa de continuação do mesmo, como reflexão sobre o que é este magnifico desporto, como fonte de saúde, felicidade e força para a VIDA.

Autoria e outros dados (tags, etc)


"Hole in one"

por mascatinha, em 11.05.05
whitewouse.jpg
Hole in one é a jogada na qual o golfista acerta com a bola no buraco em apenas uma tacada. As competições profissionais costumam oferecer prémios especiais para quem consegue realizar essa proeza. Nas competições amadoras, o costume é o jogador que fez o hole-in-one pagar uma rodada de bebidas para os outros jogadores presentes no clube. Muitos jogadores fazem seguros, para que estes assegurem as despesas do bar nesse dia.
Sue Press foi a primeira golfista a conseguir dois holes in one em dois buracos consecutivos. Isso aconteceu em Maio de 1977, em Sydney, na Austrália. Nenhum homem tinha conseguido essa proeza antes.
No mês passado, o suíço Julien Clement e o inglês Tom Whitehouse fizeram dois "hole-in-one" na quarta volta do Open da Madeira. Clement foi o primeiro a cometer a proeza, no buraco 8 do Campo do Santo da Serra, um PAR 3, com 154 metros, enquanto Whitehouse marcou o "às" no buraco 15, outro PAR 3, com 171 metros. Whitehouse foi o que mais proveito tirou do "tiro" directo, marcado depois de fazer dois "birdies", resultados que o levaram provisoriamente para o grupo dos quartos classificados, com nove pancadas abaixo do PAR. O austríaco Markus Brier, que chegou o liderar o Open de Portugal, também havia feito um "hole-in-one" no primeiro dia do torneio madeirense, no buraco 4, um PAR 3, com 185 metros.
Clement e Whitehouse tornam-se assim os 12º e o 13º jogadores a fazerem um "hole-in-one" esta temporada no Circuito Europeu e elevam para 15 o número de "ases" na história do "open" insular.
De facto fazer um hole in one deve ser uma experiência fantástica, foi o que eu deduzi depois de ler o artigo de 20 Junho 2004, no blog TAPORNUMPORCO.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Golfe e os Brinquedos

por mascatinha, em 08.05.05
bratz.jpg
Não vão acreditar, por isso me documentei… A boneca mais in, depois da série Baby Born, Nenuco, Barbie, Polly Pocket, My Scene… é agora a Bratz. Imaginem que, também já joga golfe.

Se pensarmos que, os brinquedos, são definidos como elementos do real das crianças, têm um carácter no que se refere à sociabilidade da actividade lúdica, tem uma participação colectiva, o que cria determinadas ligações afectivas que são típicas e importantes, que não há um brinquedo sem as regras do jogo, que os brinquedos que mais ajudam as crianças a se desenvolverem, são aqueles adequados aos seus interesses e às suas necessidades de aprendizagem, que as crianças manifestam preferências por brinquedos socialmente considerados como mais adequados para seu sexo (classificação imposta pelos adultos), então podemos considerar que o Golfe está em franca expansão para as mulheres e crianças.

E porque acredito que os brinquedos representam um mundo imenso, infinito, cheio de promessas e surpresas, contituindo as riquezas do imaginário infantil, através dos quais as crianças liberam os seus sentidos, em todos os sentidos, esta perspectiva deixa-me feliz.

Nota: A kitty teimava também em jogar com a bola…

Autoria e outros dados (tags, etc)


Café e Golfe

por mascatinha, em 05.05.05
A001_M.jpgAutor: Jiri Sliva. Artforum

Um professor diante da sua turma de filosofia, sem dizer uma palavra pegou num frasco grande e vazio de maionese e começou a enchê-lo com bolas de golfe. A seguir perguntou aos estudantes se o frasco estava cheio. Todos estiveram de acordo em dizer que sim. O professor pegou então numa caixa de fósforos e vazou-a dentro do frasco de maionese. Os fósforos preencheram os espaços vazios entre as bolas de golfe. O professor voltou a perguntar aos alunos se o frasco estava cheio, e eles voltaram a responder que sim. Logo, o professor pegou numa caixa de areia e vazou-a dentro do frasco. Obviamente que a areia encheu todos os espaços vazios e o professor questionou novamente se o frasco estava cheio. Os alunos responderam-lhe com um 'SIM' retumbante. O professor em seguida adicionou duas chávenas de café ao conteúdo do frasco e preencheu todos os espaços vazios entre a areia. Os estudantes riram-se nesta ocasião. Quando os risos terminaram, o professor comentou: “Quero que percebam que este frasco é a vida. As bolas de golfe são as coisas importantes, como Deus, a família, os filhos, a saúde, os amigos, as coisas que nos apaixonam. São coisas que mesmo que perdêssemos tudo o resto, a nossa vida ainda estaria cheia. Os fósforos são outras coisas importantes, como o trabalho, a casa, o carro etc. A areia é tudo o resto, as pequenas coisas. Se colocamos primeiro a areia no frasco, não haverá espaço para os fósforos, nem para as bolas de golfe. O mesmo ocorre com a vida. Se gastamos todo o nosso tempo e energia nas coisas pequenas, nunca teremos lugar para as coisas que realmente são importantes. Presta atenção às coisas que realmente importam. Estabelece as tuas prioridades, e o resto é só areia.

Um dos estudantes levantou a mão e perguntou: - Então e o que representa o café?

O professor sorriu e disse: “Ainda bem que perguntas! Isso é só para lhes mostrar que por mais ocupada que a vossa vida possa parecer, sempre há lugar para tomar um café com um amigo”. Quando as coisas da vida te parecerem demasiadas, lembra-te do frasco de maionese e café.

Autor desconhecido

Autoria e outros dados (tags, etc)


Imagem de Satélite

por mascatinha, em 04.05.05
Vendo a densidade de campos de golfe na Irlanda, sonhamos com o dia em que aconteça o mesmo em Portugal (com as devidas idiossincrasias). VER

Autoria e outros dados (tags, etc)


Golfe e Personalidade

por mascatinha, em 01.05.05
C.Z.jpg
Existe uma classificação muito genérica e simplista, mas interessante, que classifica as pessoas em quatro “tipos psicológicos”: colérico, sanguíneo, melancólico, e fleumático. O colérico costuma ser uma pessoa activa, dinâmica, líder, o sanguíneo é muito animado, sociável e dotado de grande energia, o melancólico é identificado como uma pessoa mais tímida e estável, enquanto o fleumático é extremamente calmo, paciente e muito confiável.
No golfe valem coisas como planeamento, motivação, espírito de equipa, tácticas de confronto, preparação pessoal, comunicação, auto–controlo, superação de adversidades, entre outras qualidades humanas.
Analisando a nossa personalidade, conseguimos identificar o nosso desporto mais adequado. Preferimos a criatividade do futebol, o planeamento do golfe, o risco do automobilismo, a determinação da natação ou o charme do pólo?
A maioria das pessoas, identifica em si a determinação, qualidade indispensável aos nadadores, que dedicam horas e horas a um treino monótono, passado a maior parte do tempo com a cabeça dentro da água, contando azulejos e braçadas. E, consegue reconhecer a importância da determinação, da persistência, da perseguição dos objectivos, que são qualidades dos verdadeiros empreendedores.
O golfe é um desporto em que não consegue começar mal e terminar bem. Tem que se colocar a bola em 18 buracos, e dispõe, para isso, de um determinado número de tacadas, de acordo com o seu handicap. 72 tacadas, é o par do campo, regra geral. Isso significa uma média de quatro tacadas por buraco. E se eu gastar cinco logo no primeiro? Ora, a consequência é que noutro eu tenho que colocar em apenas três. Portanto é melhor gastar menos tacadas logo no princípio, para ficar com margem para o final, quando o grau de dificuldade é maior. Esta lógica interessante, parece a da vida quotidiana e profissional.
Cada buraco tem que ser analisado. Qual o taco? Madeira ou ferro? Como é que está o vento? Mudou do buraco anterior para este? Possivelmente sim, porque a mudança da topografia provoca alteração nos ventos. E a relva? Foi aparada desde o último jogo. E como é que foi passada a máquina? De cima para baixo, ou de baixo para cima? É claro que isso interessa. Afinal como é que está a pontinha de cada folha de grama?
O golfe não admite improvisos. Exige planeamento. Jamais vence o pior. É o melhor em treino e em planeamento que leva vantagem. Termina bem quem começa bem. Quem começa mal, termina mal, necessariamente.
Mas não é assim que a maioria das pessoas conduz a sua própria vida, com um mínimo de planeamento? Vamos acrescentar algo do golfe, às nossas vidas. Exercitar cada vez mais todos os sentidos. Ouvir o passado. Sentir o presente. Olhar para o futuro. Expressar os sentimentos. Ser feliz. Treinar para ser melhor.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2007
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2006
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2005
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

subscrever feeds