Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O Golfe ou eu?

por mascatinha, em 24.01.06
comportamento_01.jpgAs estatísticas não mostram a incidência de atritos provocados nos casais pela incompreensão em torno da paixão que desperta o golfe.

“Escolha, ou o golfe ou eu...?”, foras as últimas palavras de uma bonita directora de uma empresa, ao seu namorado. Ele, com os cabelos grisalhos ainda marcados pela pressão do boné de golfe que acabava de tirar ao chegar ao apartamento dela, respirou fundo. A mulher, acostumada aos flashes dos fotógrafos de importante revistas e a luz dos estúdios de televisão, esperou a resposta, confiante. Foi um silêncio longo, duro, tenso. Ele, bronzeado pelo sol de muitos campos de golfe do mundo, sentiu um aperto no peito e respondeu secamente: “É melhor acabarmos a conversa. Amanhã marquei um jogo muito cedo...”.

Esta história é absolutamente verídica. Podemos até jurar pela linha do nosso putt, pela direcção do nosso drive, que a crónica reflecte os factos com fidelidade. O golfista sente a separação. O seu handicap subiu quatro tacadas em quatro meses ao ruir o seu jogo curto, onde mais se sente a pressão psicológica. É apenas uma única história. Existem milhões de histórias do conflito de ciúmes e golfe.

O conflito provocado pelos ciúmes é muito antigo....William Shakespeare foi até o último rincão da alma humana quando escreveu Otelo. A insegurança, o egoísmo e a intolerância se antepondo a tudo. O conflito continua vivo na era tecnológica como quando Shakespeare pegou a pena de ganso para escrever a primeira linha do seu clássico.

Numa perspectiva preventiva deste estatuto de Viúva do Golfe, desejo que a Mascatinha mais nova, desde muito cedo goste de jogar golfe para que a nossa família tenha uma longa vida em harmonia, respeito e paz.

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

De Ludgero a 09.03.2009 às 20:51

pois é eu ainda gosto de andar no green

De Amaral a 24.01.2006 às 18:00

Quando a paixão se envolve no acto de criarmos qualquer coisa, é bem verdade que a coisa criada roça o portal do sublime e permanece firme como um rochedo.
Mas, como em tudo na vida, nada tem que depender de alguma coisa, enquanto suporte duma relação. Uma dependência significa uma ruptura, algures e de uma qualquer forma.
O tempo encurta para o aparecimento da mascatinha!... Estas últimas semanas virão numa fugida!...

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2007
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2006
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2005
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D